O Luto de Elias Gro MOBI Â de Elias PDF ✓ O


  • Paperback
  • 328 pages
  • O Luto de Elias Gro
  • João Tordo
  • Portuguese
  • 08 August 2014
  • 9789898775337

10 thoughts on “O Luto de Elias Gro

  1. says:

    Já tenho resposta para a pergunta ual foi o livro ue mais te fez chorar na vida? Este livro é absolutamente maravilhoso Não o consegui largar desde ue comecei E uando o comecei parece ue ouvi 'lê me chegou o nosso momento' Os livros também nos escolhem Sim escolhem tenho a certeza


  2. says:

    Dear GoodReadsPreciso de mais estrelas Cinco para este livro são manifestamente insuficientesUm tratado sobre a dor a solidão e o amor ue nos salva de nós mesmos Uma história com tantas vidas dentro Gente ue carregarei comigo por muito tempo ue não esuecerei certamenteSem dúvida a mais bonita obra deste exímio malabarista de palavras


  3. says:

    Este livro de João Tordo marca na minha opinião uma viragem na sua escrita Deixamos de ter uma história ue gira em volta de um mistério à procura de uma solução para termos uma narrativa triste e angustiada Temos um homem cheio de mágoa ue escolhe a fuga e o isolamento numa ilha peuena para esuecer os fantasmas do passado ue o assombram violentamente a separação da mulher amada e a morte da filha Temos personagens fabulosas com histórias e segredos para desvendar A escrita de João Tordo é bela intensa e profunda e reuer uma leitura pausada introspectiva silenciosa e triste Há descrições sublimes de melancolia de amor de fé de solidão de silêncio de dor de perda Vivemos o desespero da personagem compreendemos a necessidade de estar só de “ouvir” o silêncio assistimos ao seu percurso ue o leva à desistência da vida à decadência humana e sentimo nos tristes e desesperados por vezes esperançados Se tu morresses eu ficava tristePoruê?Porue fazes parte da minha história”O Luto de Elias Gro primeiro volume de uma trilogia “Trilogia dos lugares sem nome” é sem dúvida a mais bonita obra do João Tordo ue já li e já li uase todos os seus livrosAs pessoas são feitas de porcelana concluiu Lascam com facilidade instigam em nós a urgência de não as deixar cair Partem se em pedaços se as largarmos Esses pedaços são inconsoláveis É impossível tornarmos a juntá los e se o tentarmos ficaremos para sempre a observar as rachas ue inadvertidamente lhes causámos cicatrizes ue não passam Por mais ue as pessoas jurem ue são feitas de outro material acredite em mim uando lhe digo ue são feitas de porcelana da mais frágil e dispendiosa


  4. says:

    Sinto em relação a este livro o mesmo ue senti em relação ao primeiro livro ue tinha lido do autor textos muito bem escritos ue dizem absolutamente nada Não cativam não prendem a acção arrasta se neste em particular o protagonista pegava na bicicleta ia até ali e acolá largava a bicicleta entrava numa casa entrava outra casa pernoitava num arbusto e pelo meio às vezes perdia se em divagaçõesEm suma senti ue não havia uma verdadeira história para contar embora seja um livro do ual se podem retirar citações bonitas para o Instagram


  5. says:

    Estou indecisa entre as 3 e as 4 estrelas Reconheço ue é bom introspectivo e bem escrito E aí seria um 4 Porém apesar de ter começado cheia de entusiasmoesse entusiasmo perdeu se e aí seria mais um 3Livro complicado este ;35 vá


  6. says:

    Um livro ue se prendeu na minha alma Elias Cecília Lars Alma e Norbet são personagens fascinantesÉ um livro ue aborda a existência a perda o luto o esuecimento e a memória A narração do diário do escritor Lars corresponde a mais emotiva Cecília é uma menina demasido inteligente para a sua idade E o narrador é uma mistura de todas as personagens


  7. says:

    A minha opinião em vídeo


  8. says:

    Um homem decide fugir para uma ilha algures no Atlântico eJoão Tordo apresenta nos uma história ue me fez sorrir rir ficar com o coração bem apertadinho e chorar Impossível ficar indiferenteCompletamente recomendadoObrigada João Tordo por mais uma leitura fabulosa


  9. says:

    “O Luto de Elias Gro” 2015 é oitavo romance do escritor português João Tordo n 1975 primeiro volume de uma trilogia denominada “a trilogia da tristeza” a ue se segui a publicação de ”O Paraíso Segundo Lars D” em Novembro de 2015 O narrador sem nome refugia se numa peuena ilha do Atlântico não identificada onde vivem menos de cem pessoas numa insularidade dominada pela imensidão do mar pelos ventos fortes pelas nuvens e pelos nevoeiros intensos numa fuga à “doença da separação” associada igualmente à morte de uma filha procurando no isolamento físico e espiritual um reencontro emocional e existencial uma tentativa desesperada de reflexão e redenção sobre o passado as “peuenas” e as “grandes” tragédias pessoais ue martirizam os pensamentos e ue condicionam a vivência e as acções uotidianas ”O isolamento é uma doença dos nossos diasE tanto é uma doença ue como em todos os estados patológicos só encontramos alívio uando nos apercebemos de ue sem darmos por isso perpetuámos essa condição porue é mais doloroso sair dela do ue permanecer doente A sanidade tem um preço” Pág 69O farol da peuena ilha propriedade do alemão Heinrich torna se inicialmente o refúgio do narrador local emblemático de clausura e solidão de partida e regresso para as “longas” viagens a pé ou de bicicleta contactando e conhecendo um conjunto de personagens “secundárias” ue em determinados períodos se tornam “principais” ue ou estão “presentes” ou estão “ausentes” como o padre um pastor protestante Elias Gro e a sua filha Cecília com onze anos a Alma Pedersen separada de Heinrich o Norbért um velho ue vagueia pela noite e muitos outros; e alguns locais emblemáticos como a Casa das Águas último refúgio do escritor dinamaruês Lars Drosler engolida pelo mar e a taberna com o lindíssimo nome “La Calme Avant la Tempête” local de encontro e confraternização para conversas triviais e algumas revelações íntimas A escrita de João Tordo é intensa e profunda com um conjunto de personagens enigmáticas com histórias para contar e segredos por desvendar mas a articulação e o desenvolvimento das várias subtramas desgostou me profundamente; view spoilercomeço por não entender porue é ue o narrador e Cecília iniciam uma leitura conjunta dos diários de Lars Drosler segredos e revelações ue podem ser ou ter inúmeras e complexas interpretações para uma miúda de onze anos; mais tarde essa leitura termina abruptamente sem nenhuma explicação; não entendo ual é o significado da seuência em ue o narrador relata ue ”O pescoço dela Cecilia cabia perfeitamente entre os meus dedos Provavelmente conseguiria erguê la no ar enuanto a miúda debatendo se cravaria as suas mãos nas minhas procurando libertar se da força bruta ue a dominava” e depois conclui ”Eu sofria da mesma loucura um surto homicida” Pág 187; o “aparecimento” da pistola e as explicações associadas são confusas; as “revelações” de Lars Drosler em relação a Ole a homossexualidade e pensamento de assassinar são um pouco absurdas; e muito mais hide spoiler


  10. says:

    El aislamiento es una enfermedad de nuestros días dijo Fíjese si es una enfermedad ue como en todos los estados patológicos solamente encontramos alivio cuando comprendemos ue sin darnos cuenta hemos perpetuado esa condición porue es más doloroso salir de ella ue permanecer enfermos La cordura tiene un precio Si tuviera ue describir esta lectura lo haría con un Fado El duelo de Elías Gro tiene la cadencia la belleza y ese tono melancólico de los Fados portugueses Este libro sabe a Leva Me Aos Fados de Ana Moura a Medo de Marizza o As penas de Amália Rodrigues No creo ue sea un libro para todo el mundo Se trata de una lectura pausada introspectiva triste y está lleno de personas rotas ue intentan recomponerse sin saber cómo hacerlo Esa isla en la ue habitan está marcada por la pena ue convive con la soledad la religión el amor la naturaleza y la pérdida mientras el tiempo transcurre sin dar tregua Sin embargo es la ausencia la gran protagonista; La ausencia como presencia constante marca el ritmo de la historia y las acciones de los personajes Personajes a los ue vas cogiendo cariño a medida ue avanzas en la lectura y descubres el por ué de todo Me sentía cansado pero también estaba cansado de estar cansado y me pegunté cuándo abandonarían los espíritus feroces sus guaridas cuándo me despertaría sin sentirme desgarrado por dentro cuándo conocería la paz de la ue hablaban los antiguos Tal vez cuando abandonara todo Y abandonar todo también significaba abandonarme a mí mismo A pesar de toda esa melancolía y nostalgia este libro tiene muchos puntos de luz e incluso momentos de humor Uno de ellos son Alma y Cecilia la esperanza El otro es la forma de contar y transmitir ue tiene el autor con una sensibilidad muy bonita La forma de narrar es muy bella poética y con un tono onírico en algunos pasajes ue consigue atraparnos desde ue llegamos a la isla en las primeras páginas ¿Lo recomiendo? absolutamente creo ue más allá de la trama este libro merece mucho la pena por cómo está escrito y porue muestra una parte de la vida ue en la sociedad sigue siendo tabú Como dice uno de los personajes del libro 'Yo he aprendido demasiado tarde ue en esta vida es importante saber estar triste' Pues más o menos de eso va a este libro un viaje por el duelo saber convivir con la pérdida y la ausencia para recomponerse poco a poco y a su debido tiempo; el euilibrio de la vida la medida justa del amor Levántate porue la vida te está esperando 'Tendrá ue aprender a vivir partido en trozos Estime sus heridas cuídelas; deles cariño cuando necesiten cariño y protéjalas cuando sea necesario Un día se transformarán en cicatrices y dejarán de doler Es cierto ue las puede esconder debajo de la ropa pero siempre estarán presentes las cicatrices valen oro'


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

O Luto de Elias Gro Numa peuena ilha perdida no Atlântico um homem procura a solidão e o esuecimento mas acaba por encontrar muito maisA ilha alberga criaturas singulares um padre sonhador de nome Elias Gro; uma menina de onze anos perita em anatomia; Alma uma senhora com um coração maior do ue a ilha; Norbert um velho louco ue tem por hábito vaguear na noite; e o fantasma de um escritor cuja casa foi engolida pelo marO narrador lacerado pelo passado luta com os seus demónios no local ue escolheu para se isolar um farol abandonado à mercê dos caprichos da natureza – e dos outros habitantes da ilha Com o vagar com ue mudam as estações o homem vai passo a passo emergindo do seu esconderijo fazendo o seu luto e descobrindo numa travessia de alegria e dor a medida certa do amorO luto de Elias Gro é o romance mais atmosférico e intimista de João Tordo um mergulho na alma humana no ue ela tem de mais obscuro e luminoso


About the Author: João Tordo

João Tordo was born in Lisbon in 1975In 2009 he won the prestigious José Saramago Literary Prize with the novel As Três Vidas also shortlisted for the Portugal Telecom Prize in Brazil He was shortlisted four times for the prestigious Fernando Namora Literary Prize 2011 2012 2015 2016 and twice for Best Novel at the Portuguese Author's Society 2011 and 2015 He was also shortlisted for